Blog

27/07/2017

Brasil, terra de nosso Senhor

Por Pe. Erivaldo Dantas, ssp

Brasil, pátria amada, terra de nosso Senhor. “Por que andas tão triste e abatida pela opressão do inimigo?” (Sl. 42). O Brasil alegre e feliz de outrora hoje “geme e padece, como as dores de parto” (Rm 8,22). Inúmeros são os filhos teus que agora vivem a desilusão de ver seus sonhos frustrados pelas crises que assolam os teus estados.

O maior país da América do Sul, premiado mundialmente pelo exemplo no combate à fome e a miséria, hoje vive a incerteza, fruto de uma recessão que parece não ter fim. Os dias são sombrios para os brasileiros, principalmente os mais pobres e vulneráveis, que dependem, muitas vezes, do investimento do governo em programas sociais para ter o mínimo de dignidade e perspectiva de vida.

O Brasil não vive apenas a crise econômica; talvez seja essa a crise a que se dê mais ênfase, mas é preciso saber que o Brasil vive hoje uma crise política, moral, ética e até mesmo uma crise cristã, pois muitos dos políticos brasileiros se consideram cristãos, porém, são distantes da práxis de Jesus Cristo, que pregou o amor e a justiça acima de tudo. Assim, cada um instrumentaliza os ensinamentos de Jesus conforme seus interesses.

Diante desse cenário, o desemprego tem aumentado vertiginosamente. Só no primeiro trimestre desse ano, o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) apontou mais de 14 milhões de brasileiros desempregados, um número alarmante que vem tirando a noite de sono de muitos pais e mães de família que dependem dos seus empregos para levar adiante os compromissos familiares.

Como consequência do desemprego, cresce também a violência, os roubos, assaltos e o medo de sair de casa, ou até de ficar em casa, pois os meliantes estão nas ruas a praticar seus crimes, desassossegando quem deseja viver em paz.

É, os dias não são de glória. O cenário brasileiro é bastante preocupante, mas não podemos perder a esperança. Precisamos acreditar que essa recessão, essa estagnação econômica e social não se prolongue por muito tempo, e que o Brasil alegre e feliz de outrora volte a sorrir.

, ,