Blog

11/10/2018

Maria, mãe de Deus e nossa

Por Edinoel Amorin, seminarista Paulino

Há mais de 300 anos, no Brasil, o dia 12 de outubro não é mais o mesmo. Esta data é marcada pelas celebrações em honra à Senhora da Conceição Aparecida, rainha e padroeira do Brasil. São momentos fortes de religiosidade popular que recordam as virtudes da Virgem Maria e nos convidam com um tom de apelo insistente a que busquemos a imitação de suas virtudes e vislumbremos nesse acontecimento uma oportunidade para nos encontrarmos com seu filho Jesus.

Nas mais variadas manifestações de fé, ressoa com clareza a voz daquela, que disse: “Feliz o ventre que te trouxe e os seios que te amamentaram” (Lc 11,27). Sem dúvida, Maria é feliz por esse privilégio, mas muito mais por ser exemplo de quem acreditou e cumpriu com prontidão a vontade de Deus. Nessa voz que se levanta na multidão do Evangelho e nas milhões de vozes que hoje cantam com fervor: “viva a mãe de Deus e nossa”, temos um convite a conhecer com fé a Mãe de Jesus, tendo em vista que muitos são aqueles que não a conhecem ou temem honrá-la demais pelo risco de deixar Jesus de lado. Sabemos que nunca se ama ou se louva Maria demais.

Sempre são insignificantes os louvores que lhe rendemos, pois quanto mais Maria for conhecida, mas conhecido e amado será Nosso Senhor Jesus Cristo. São Luís Maria Grignion de Montfort disse em seu Tratado da Verdadeira Devoção à Virgem Maria, que “o conhecimento e o reino de Jesus Cristo apenas se concretizarão no mundo em decorrência necessária do conhecimento e do reino da Santíssima Virgem Maria, que o trouxe ao mundo pela primeira vez e o manifestará de modo maravilhoso pela segunda”.

Que este mês de outubro seja repleto de bênçãos por intercessão de nossa Mãe Aparecida, e que o povo brasileiro veja em Maria um vínculo de unidade que o leve a superar as diferenças e a intolerância, criando uma cultura do encontro e do serviço aos demais. Uma autêntica devoção à Rainha do Brasil passa pela imitação de suas virtudes. Ela que é uma mulher de humildade profunda, fé firme e caridade ardente. Que ela interceda a Deus por nós e inflame o nosso coração de amor por seu filho Jesus.