Blog

03/09/2018

Ler, entender e refletir o livro da Sabedoria

Por Flávio Cândido, Seminarista Paulino

A cada ano, durante todo o mês de setembro, a Igreja nos apresenta um livro ou um texto bíblico para a nossa meditação e estudo. O livro bíblico proposto para este ano é o da Sabedoria.

O livro da Sabedoria é um apelo às pessoas para praticarem e amarem a justiça, principalmente para as pessoas que ocupam cargos ou posições importantes na sociedade. Este convite é muito sério, pois implica em promover a justiça segundo a vontade de Deus, muitas vezes diferente de alguns desejos dos seres humanos.

  Deus envia o seu Espírito de Sabedoria, dom de si, capaz de levar e conduzir o ser humano a promover gestos de justiça, sem interesses mesquinhos, gananciosos ou egoístas, gerando e desenvolvendo a vida, capazes de trazer esperança futura a todos os seres humanos. Quando a justiça é defendida, normalmente o ser humano vê a vida como imortal, isto é, ela tem continuidade e se inicia na história da humanidade.

Somos chamados a viver a justiça, ouvindo, compreendendo e assumindo o seu serviço. Essa oportunidade que nos surge é para renovarmos nossa fé no espírito de Deus e na sabedoria, que não está presente em pessoas que vivem a injustiça, pois vivemos uma cultura de morte. É combatê-la e acreditar na justiça.

Na cultura injusta, quem vive a justiça é perseguido. O livro da sabedoria pode nos ajudar a refletir e rezar a situação de grupos e pessoas que são perseguidos por causa da justiça. Conhecendo a realidade, devemos nos comprometer com a verdadeira prática da justiça e descobrir formas de nos solidarizarmos com essas pessoas e grupos.

O estudo desse livro também nos convida a revisar as formas de poderes presentes na política, na economia, na vida social e na religião. Como cristãos batizados, munidos de um poder dado pela palavra e pela eucaristia, temos o dever de promover a paz, usando esse poder que temos, dado por Deus, para a defesa e a promoção da vida, tão ameaçada em tempos hodiernos.

Com a cultura do descartável, como nos fala o papa Francisco, o risco é nos afastarmos de Deus e criarmos uma cultura idolátrica, que não propaga a verdade e a justiça gerando injustiças e morte. O poder e o ter passam à frente de todos os limites, manipulando, oprimindo e mantendo a corrupção e a violência, o que com nossa voz profética devemos denunciar e combater.

Diante dos desafios presentes, uma certeza nos motiva: a sabedoria de Deus sempre acompanha seu povo da escravidão, libertando-o (10,15-11,3). Busquemos compreender o agir de Deus ao longo da história e de nossa própria história. Ter fé em Deus é garantia de vida digna e livre de opressão.

Eis o desafio! Ler, entender e refletir o livro da Sabedoria. Que este mês de setembro nos ajude na aproximação de nossos irmãos e irmãs através da palavra e da justiça, e a sermos luzes em nossa realidade e sociedade.