Blog

14/03/2017

Jovens, religiosos e comunicadores

Por Tiago Melo*

A Pia Sociedade de São Paulo, Padres e Irmãos Paulinos, é uma congregação religiosa masculina fundada em 1914 pelo bem-aventurado Tiago Alberione (1884-1971). Seu carisma é anunciar o evangelho com a força e o alcance da cultura da comunicação. À primeira vista pode-se pensar que é um projeto bem simples, visto que muitas gerações já nasceram dentro deste “universo da comunicação”. Se falarmos dos dispositivos para a evangelização, sim, é fácil. Mas se pensarmos na construção de um religioso, jovem, dedicado com o projeto de Jesus e voltado à missão de nossa congregação, a coisa parece dificultar. Não é porque não haja vocações ou porque não temos uma boa campanha vocacional na messe do Senhor. A grande dificuldade hoje é a oscilação da juventude em suas opções.

O chamado de Deus exige uma resposta segura e cotidiana. O mundo da comunicação exige rapidez, na hora, à velocidade da luz; a internet é o resultado dessa ansiedade! O discernimento e o caminho do discipulado, não, ele é diferente. Exige tempo, reflexão e dedicação. Então, como integrar a rapidez da comunicação com a vocação à vida religiosa Paulina? Se apontarmos aqui no texto algumas indicações, pode parecer um manual de “como se tornar um paulino”. A intenção não é essa. Mas sim levar à conscientização dos vocacionados, dos que já estão na caminhada formativa e dos respectivos responsáveis.

Quando estamos em uma comunidade de vida religiosa, encontramo-nos com diversas gerações de religiosos: do irmão bem velhinho que ri, que brinca, que distribui santinhos, do que cuida do galinheiro, do que cuida das plantas e até aquele que vive chateado, brigando com tudo e com todos. E quando esse vê um jovem vocacionado com o celular na mão, diz: “esse não faz mais nada! Só fica com esse celular na mão.” Pois é, eles vieram de um tempo onde: 1º não havia a tecnologia que temos; 2º o trabalho que eles enfrentaram foi um trabalho mais braçal; 3º estiveram nas fundações, portanto enfrentaram dificuldades (não poucas), e 4º a Igreja era bem outra. Há duas formas de responder a esta situação: a) enfrentá-los e ser mais um ranzinza; ou b) reconhecer a colaboração desses irmãos maiores e ajudá-los a descontruir a imagem de que “a juventude não tem futuro”. Afinal, estamos ingressando em uma comunidade de discípulos e estes têm que ser como o mestre (Mt 9,36-37).

Um encontro vocacional é emocionante, mexe com nossas motivações e sonhos. Uma semana, 15 dias ou até mais, tudo parece um sonho. Quando o jovem entra na comunidade e vê que precisa estudar, rezar, fazer apostolado na livraria, no vocacional ou na revisão, tem  um horário exigente para as funções  e atividades da casa, isso pode assustar. O segredo não é uma enquete como se faz no facebook ou uma foto no instagran. O que postamos e apostamos na consagração tem que ser algo mais forte: uma opção fundamental. Não devemos nos dobrar ao relativismo que dita que não há verdades. A vida religiosa é um caminho, uma proposta para você, vocacionado, se encontrar com o que há de mais verdadeiro, Jesus, que diz: “Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida”. Pois é, temos uma verdade. Quer conhecer? Contate-nos!

A comunicação é nossa identidade como religiosos na Igreja. Nela, somos convidados a exercer uma missão com nosso apostolado que ultrapassa as barreiras das folhas dos livros, da Paulus Editora, da Nova Bíblia Pastoral, dos Cds, das Revistas, da Faculdade Paulus, etc… Somos chamados a ser apóstolos (Mt10,1), apóstolos da comunicação a exemplo de Paulo, sob o olhar bondoso de Maria, Mãe, Mestra e Rainha dos Apóstolos. No Brasil, os Paulinos temos mais de 85 anos de história. Com nossa missão já alcançamos todos os rincões desse imenso país: “Da Amazônia aos Pampas, do Cerrado à Caatinga, do Pantanal à Mata Atlântica”, parafraseando a Campanha da Fraternidade 2017. Finalizo com uma mensagem do Papa Francisco aos jovens em preparação da Assembleia dos Bispos em 2018: “Um mundo melhor se constrói também graças a vós [jovens], à vossa vontade de mudança e à vossa generosidade. Não tenhais medo de escutar o Espírito que vos sugere escolhas audazes, não demoreis quando a consciência vos pede para arriscar e seguir o Mestre”.

*Tiago Melo, 27 anos, é clérigo religioso dos Paulinos, jornalista e estudante de Teologia. Atualmente trabalha com a Assessoria de Imprensa da Paulus Editora.

, ,