Notícias

10/02/2017

Existem três passos essenciais para viver o Ano Mariano, afirma presidente da CNBB

Por Gaudium Press, com informações A12

Instituído pela CNBB em 12 de outubro de 2016, o Ano Mariano prossegue até 12 de outubro de 2017 em comemoração aos 300 anos do encontro da Imagem de Nossa Senhora Aparecida.

Para o presidente da CNBB e Arcebispo de Brasília, Cardeal Sérgio da Rocha, existem três passos essenciais para viver de forma plena o Ano Mariano.

O primeiro passo, segundo Dom Sérgio, é recordar a história de Nossa Senhora agradecendo a Deus. “Nós recordamos com louvor a Deus com gratidão os 300 anos, então isso é motivo de Ação de Graças, motivo de louvor de uma recordação alegre e agradecida”, afirmou.

Por sua vez, o segundo passo é celebrar, uma vez que o Ano Mariano é uma oportunidade para crescermos como discípulo de Jesus através da Virgem Maria.

“Celebrar, louvando a Deus pela presença de Nossa Senhora no ontem, no hoje da história do nosso povo. Nossa Senhora tão querida, Nossa Mãe e a ela nós voltamos o nosso coração nesse Ano Mariano para junto com ela aprender a seguir Jesus Cristo, ser discípulo, discípula. É um ano para crescer no discipulado, isto é, com Maria, nós vamos crescendo como seguidores de Jesus Cristo, seguindo seu exemplo, seus testemunhos, e confiando na sua intercessão”, explicou.

O último passo para viver o Ano Mariano, conforme o Arcebispo de Brasília, é viver seguindo os exemplos de Maria Santíssima.

“Esse é um ano também para se viver, ou seja, vivenciar a própria liturgia, o louvor a Deus no dia-a-dia da vida, imitando Nossa Senhora, sua atitude de louvor, Ela que rezou, que cantou e que nos ensina a fazer o mesmo, também a sua atitude de caridade, de misericórdia para com quem mais necessitava, como fez com Isabel e nas Bodas de Caná. Sua compaixão na hora da Cruz, Ela unida a Jesus. Então nós imitamos Nossa Senhora, permanecemos unidos a Jesus, mas também servindo os irmãos que mais necessitam”.

Em carta enviada aos bispos de todo o Brasil, a presidência da CNBB considera a celebração dos 300 anos “uma grande ação de graças”. (LMI)

Fonte: Gaudium Press