Notícias

01/06/2024

Acima das leis está a vida humana

Por Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp

Muitas injustiças se praticam, ou mesmo crimes horríveis se cometem, quando as leis passam por cima do valor da vida humana. Disso decorre a grande responsabilidade dos que têm a tarefa de estabelecer leis para o governo de uma sociedade. Talvez uma pergunta que possa ajudar os legisladores seria esta: a lei que estamos criando ou aprovando respeita a dignidade do cidadão? Porque, infelizmente, algumas leis são criadas e impostas à população apenas para trazer vantagens para um grupo privilegiado.

Jesus muito se empenhou para mostrar e disse abertamente que no centro está a vida humana. Curiosamente, ele operou bom número de curas em dia de sábado – que, segundo a Lei judaica, era dia de repouso, reservado para prestar culto ao Deus libertador, o qual havia retirado o povo de Israel da escravidão do Egito. Pois bem, estando na sinagoga – lugar de oração e de instrução –, Jesus, vendo a necessidade de curar alguém, fazia-o com toda a liberdade e diante de todos. Aproveitava a circunstância para uma breve, importante e sólida catequese. Por vezes começava com uma pergunta intrigante: “É permitido em dia de sábado fazer o bem?” (Mc 3,4). A resposta é mais que óbvia e brota espontânea dos lábios dos circunstantes: todos os dias são ocasião favorável para fazê-lo. Isso não se discute. Portanto, também o sábado (Antigo Testamento) ou o domingo, sobre o qual São Jerônimo dizia: “é o dia da ressurreição, o dia dos cristãos, o nosso dia”.

Antes assinalamos que o sábado era o principal dia para celebrar a histórica libertação do povo de Deus. Com o passar do tempo, os dirigentes da nação foram acrescentando tantas outras exigências, que o dia de sábado acabou se tornando um peso para o povo. É dessa opressão que Jesus quer libertar as pessoas.

Portanto, celebremos cada dia como boa oportunidade para fazermos o bem: prestar culto a Deus por meio da participação nas celebrações litúrgicas, descansar e reforçar entre nós os laços de fraternidade. E lembremos que o centro da obra de Deus é o ser humano, criado à imagem e semelhança do Criador. Por isso, Jesus disse ao homem da mão seca: “Vem para o centro” (Mc 3,3) e o libertou de sua enfermidade. Jesus está a serviço da vida.

Publicado em 02 de junho de 2024 – Liturgia Diária – Ano 33 • N° 390